quarta-feira, 23 de junho de 2010

PRS SE Custom 22



2008, feita na Coréia pela World Musical Instrument Co. Ltd. Segundo informações não confirmadas, é uma das 3 grandes fábricas coreanas, juntamente com a Cort e Samick. Captadores originais de alnico, 9k, sem muita resposta dinâmica e presença. Os pontos fracos dessa guitarra eram os captadores e as tarraxas - foram devidamente trocados...
Coloquei potenciômetro "push/pull" no tone prá separar o humbucker do braço. Preferi não usá-lo no da ponte.

Especificações
Corpo: Mogno/Maple ( + folha c/ Flame), flat top
Braço: Mogno, colado, "wide fat", 22 trastes
Escala: 25", Rosewood, Raio: 10"
Tarraxas: Planet Waves Auto Trim Lock.
Captador Ponte: Sérgio Rosar Supershred, 12,5K
Captador Braço: Sérgio Rosar Dynabucker, 4k (split: 2,6k)
Ponte: PRS Tremolo
Binding: apenas no corpo, "natural" (faux binding)

É uma das melhores guitarras que tenho e é incrível sua relação custo/benefício. Segundo a GP americana, a qualidade chega a se aproximar das PRS originais. O braço é fantástico (os braços PRS Wide Fat têm um interessante raio de 10", assim como escala de 25), um meio termo entre Fender e Gibson.

No dia em que a comprei, havia uma americana do mesmo modelo e a "pegada" das duas é muito semelhante. A diferença de sonoridade era relevante em relação aos captadores, que foram trocados pelos Sérgio Rosar, de qualidade comparável, senão superior aos próprios PRS americanos. É claro que não dá pra transformar uma PRS SE numa PRS americana só trocando os caps, mas ajuda um bocado... :)

Tive problemas para encontrar um captador para o braço com a sonoridade que gosto, "hi-fi", que valorize a ressonância das madeiras e tenha excelente dinâmica e sensibilidade. Detesto o som "gordo", com graves sem definição e meio abafado dos captadores mais comuns. Tentei um Seymour 59 mas não chegou nem perto.




O Sérgio Rosar comprou a briga e depois de umas 4 ou 5 tentativas, sempre buscando a minha idéia de "graves discretos, mas firmes e definidos, com médios e agudos equilibrados e que proporcionem um certo estalo no ataque", chegamos nesse protótipo, que eu chamo de "Halfbucker" (mas o nome oficial é "Dynabucker" :) ), porque uma das bobinas é bem mais forte (enrolada) que a outra. Ao colocá-lo com a bobina ativa virada prá ponte e "splitado", tive a grata surpresa de perceber que tinha um maravilhoso som de single, extremamente semelhante a um captador do braço de Stratocaster (acredito que a ponte flutuante tenha contribuido prá isso, pois um outro Halfbucker colocado na Cort KX Custom não soou tão "strato" quanto esse).

Embora tenha apenas 4k, soa como se fosse mais forte. É óbvio que usar um captador de 12,5k junto com outro de 4k não é prático em situações "ao vivo", pela diferença de volumes. Mas nessa configuração e com esses captadores, é como se eu tivesse duas guitarras distintas. O "clean" do Halfbucker é excelente (no modo single, é fantástico) e o "dirty" do Supershred é matador.

Quanto ao Sérgio Rosar Supershred, esse é, na minha opinião, um dos melhores captadores de média/alta saída do mundo. Tenho dois Seymour Duncan JB. O Supershred tem o som de um JB, com mais definição de graves e médios mais equilibrados.
 


 Update 18/2/2012: VÍDEOS

Vídeo 1: Inicio com o riff de rockabilly de "Rock and Roll Zombie", tocado sem palheta com o Dynabucker e em seguida passo para o Supershred. O baixo foi gravado com meu Fender Jazz Bass (também com captadores Rosar) e os loopings de bateria retirados de músicas e editados no Sonar.




Vídeo 2: Dynabucker (splitado - apenas uma bobina) na direita e Supershred na esquerda. A base da música "Play That Funky Music" tem voz/bateria/baixo e é do guitarbakingtrack.com.



60 comentários:

  1. Simplesmente linda!
    Gostei muito do timbre!

    ResponderExcluir
  2. Grande Jack, parabéns pela guitarra e pelo texto, excelentes! Gostei bastante do timbre, apesar de pessoalmente arrastar uma asa por timbres encorpados e gordos na ponte. Realmente linda a guitarra. Não vejo a hora da Torero chegar. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá ,Paulo, li seu review e acho que você pode me ajudar então vou direto ao assunto, toco ao vivo hard e pop rock e uso uma Gold Top Gibson e estou buscando outra guitarra para ter mais versatilidade, cheguei enfim às PRS por seu custo beneficio e acredito versatilidade. Então gostaria de te perguntar pra que lado me direciono, o que busco é um modelo que tenha o Push pull para defasar os caps, vi uma singlecut SE corina que tem o recurso e estou inclinado a pegar esta guitarra, o que você acha? Tem alguma outra dica pra me dar? Em que um modelo com tremolo vai influenciar no timbre de uma destas? Agradeço desde já a atenção. Obrigado. Um Killerabraço.

    ResponderExcluir
  4. Killer, tenho também uma Gold Top Gibson e é uma guitarra excepcional, mas para shows, onde preciso de um som forte (captador Rosar Supershred) e bom e com versatilidade, uso essa PRS descrita no post. As tarraxas Planet Waves são excepcionais, tanto pela qualidade, afinação e rapidez para trocar cordas. A Ponte flutuante deixa-a com um som mais próximo de uma boa strato HSS do que uma Les Paul.
    É uma guitarra que me satisfaz plenamente. Não conheço a versão de Korina, mas é uma madeira de execelente sonoridade.

    ResponderExcluir
  5. Legal Paulo, sabe, andei pesquisando e acredito que vou pegar uma 25th aniversary, ela é uma custom 24 e a ponte é a mesma da sua... A Korina nem tem no Brasil e acredito que a custom vai me servir melhor... Mais versátil, depois( quando terminar de paga-la, rsrsrrs ), aew vou aos upgrades... O que você aconselha como opções de captadores? Este seu eu nunca tinha escutado falar... Tem como eu colocar um push pull né? Acredito que defasando os humbuckings ficaria com mais possibilidades ainda... O que vc acha? Killerabraço.

    ResponderExcluir
  6. A única diferença é uma ligeira modificação do timbre do captador do braço, que está mais próximo da ponte. O Supershred do Sérgio Rosar ( http://www.sergiorosar.com/humbucker/standard/supershred.php )é na minha opinião um dos melhores captadores de médio/alto ganho do mundo. Sonoridade moderna, excelentes médios. Satura que é uma maravilha. Graves e agudos mais equilibrados que o Seymour JB. Tem 4 condutores e pode ser splitado, mas eu particularmente não gosto de humbucker em modo single. No braço, acho interessante um captador com som vintage, o mais próximo possível de um PAF.
    Abraço!
    PS: desculpe a demora pra responder - é que aqui no blog o processo é mais lento. Poderias postar também no fórum da GP - tem um pessoal muito bem informado por lá... :)

    ResponderExcluir
  7. Oba, valeu!!! Obrigado pelas dicas... Tô ansioso esperando a "criança" já... kkk. Killerabraço

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, Paulo. Parabéns pelo blog. É excelente. Gostaria de pedir uma ajuda: estou comprando uma guita nova e estou indeciso entre a PRS SE Custom 24 25º Aniversário e a Cort Z Custom. Qual a sua opinão? Estou procurando um modelo com humbuckers e achei estas duas as melhores nesta faixa de preço. A vontade é pegar as duas, rs...
    Grande abraço.
    Marcelo Costa

    ResponderExcluir
  9. Marcelo, as duas são boas e aí é muito pessoal: braço, pegada, peso, visual... Eu tenho também uma Cort KX Custom, com a mesma qualidade da Z Custom. Pessoalmente, entre essas duas, prefiro a PRS. Gosto muito do equilíbrio tonal e do braço (wide fat). A SE Custom 24 25º Aniversário tem braço "wide thin" - já toquei, é legal também e me pareceu uma mistura meio louca de Fender moderno com Ibanez... :)
    Entretanto, se leres o meu post, os dois pontos fracos da PRS SE são as tarraxas (razoáveis apenas) e os captadores (bons, mas poderiam ser melhores)
    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Obrigado, Paulo. Vou fechar na PRS. Toquei uma Custom SE e uma SE Standard e gostei bastante do timbre. A Z Custom é muito boa também, porém, não gostei do som dela quando usei o push-pull, achei que perdeu um pouco da força e volume.
    Mais uma vez obrigado pela atenção e parabéns pelo site. Precisamos de mais pessoas como você que buscam o conhecimento e compartilham desse.
    Que Deus te abençoe imensamente.
    Abraço!
    Marcelo Costa

    ResponderExcluir
  11. Então, Paulo, por contenção de despesas, acabei comprando uma Cort M600 AVD, vou esperar mais um pouco pela PRS (snif).
    Mas gostei bastante dela, é com ponte fixa e cap´s Duncan Designed. Tem um som bem encorpado. Pretendo trocar as tarrachas (com trava) e talvez os cap's, o que você sugere? Grande Abraço.
    Marcelo Costa.

    ResponderExcluir
  12. Marcelo, é uma boa guitarra (excelente se considerarmos o preço). A escolha de novos captadores é difícil e muito pessoal. Um Rosar Supershred ou um Seymour JB na ponte a deixariam mais poderosa, mas específica para rock pesado e eventualmente metal. Esse dois caps não foram feitos para sons "clean", porém saturam divinamente.
    O do braço é ainda mais complicado: como soa esse aí? O que gostarias de mudar? Graves mais definidos, mais agudos? Um captador que respeitasse mais as madeiras, mais "natural", para bons cleans e blues...Feedback, please..

    ResponderExcluir
  13. Olá Paulo, Estou na dúvida entre um Cort M600T, uma Epiphone Standard, ambas novas, ou uma PRS SE Custom usada... Vou comprar lá fora, e elas estão praticamente o mesmo valor, o que você me sugere?

    ResponderExcluir
  14. Entre as 3, a PRS Custom em bom estado, sem dúvida. Mas é uma opinião pessoal, ok?
    Epiphone, apenas a do Joe Bonamassa, que é realmente diferenciada, porém mais cara.

    ResponderExcluir
  15. Ola Paulo,tenho uma prs se custom e gostaria de saber se valeria a pena colocar captaçao ativa,como emg81/85.abraço

    ResponderExcluir
  16. Sim, fica legal se o objetivo for timbres de alto ganho.
    Antes de receber os captadores atuais, ela ficou uns 15 dias com os EMGs. Retirei-os porque os ativos ignoram um pouco o som das madeiras e essa PRS tem ressonância muito boa.
    Coloquei-os numa LTD de Agathis, um pouco mais "neutra".

    ResponderExcluir
  17. Olá, curti mto o som desses captadores e gostaria de uma ajuda sua pois quero equipar minha guitarra com bons captadores, infelizmente não é uma grande guitarra =/(Squeir Bullet)gostaria de saber o que posso fazer para deixa-la turbinada, se puder me ajudar ficarei grato !!!

    ResponderExcluir
  18. A Bullet é série mais barata e de pior qualidade da Squier. Se achas que vale a pena turbinar ESSA guitarra, te recomendo esse post:
    http://guitarra99.blogspot.com.br/2010/07/strato-sx-modificada.html
    Boa sorte! :)

    ResponderExcluir
  19. A PRS SE é excelente, melhor que muitas guitarras americanas, até mesmo Gibson de baixo valor. Excelente acabamento, o braço é maravilhoso, a ponte é muito boa, tem tocabilidade e estabilidade de afinação. O que deixa a desejar são os captadores.
    EU tenho uma PRS SE Custom 24 25th anniversary , e coloquei captadores Gibson 490R e 498T , o que fez desta guitarra uma das melhores , senão a melhor guitarra que já vi.
    Esse upgrade vale muito a pena, comparei minha guitarra com PRS's americanas e não deixa nada a desejar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colocar captadores Gibson 490R e 498T em uma PRS SE Custom realmente vale muito a pena, com um pequeno investimento vc tem uma excelente guitarra com acabamento, tocabilidade e timbre dos melhores possíveis.
      Eu aconselho ainda trocar os potenciômetros por potenciômetros CTS e o capacitor de tone por Sprague Orange Drop. Pronto , timbre perfeito.

      Excluir
  20. Opa. Tudo certo paulo? Eu tenho uma cort M600 cor vinho com captação EMG HZ. Eu toco um som mais pesado com ela em drop C. Vou trocar as tarrachas e por as planet waves com trava. Acha que se eu colocar os caps EMG 85 vai melhorar na definição? Uma dúvida, o EMG 85 é um timbre único ou ele muda conforme a guitarra que for utilizado? Alguém me falou que ele tem um "pré" que modula o som. (Desculpa minha ignorância). Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Captadores ativos geralmente são menos influenciados pelas madeiras do que os passivos, Diógenes. Também apresentam um pouco mais de definição.
      No próprio captador existe um sistema que amplifica o sinal puro da vibração das cordas, diminuindo ainda mais os ruídos externos que um humbucker comum. Os EMGs devem soar bem na Cort M600. Perderás um pouco do timbre orgânico (ppte para sons limpos/clean), mas ganharás em punch, definição e equilíbrio de frequências.

      Excluir
    2. Pow, obrigado pela dica! No momento então vou focar em colocar o EMG 81 na ponte e deixar o EMGhz no braço.
      Obrigado e continue com o blog, é muito bom. Abração.

      Excluir
    3. A M600 só tem um controle de volume e tonalidade Diógenes. Os pots usados para caps ativos são incompatíveis com passivos e vice e versa.
      Nessa guitarra, devido à configuração, acredito que terás que usar só caps passivos ou só ativos - não dá pra combinar.

      Excluir
  21. Parabéns pelo blog e pelo post!

    Eu uso uma Shelter LP e pretendo trocar por uma de maior qualidade pois está deixando a desejar, além da captação, principalmente pela dificuldade de solar no final da escala.

    Estive testando uma PRS SE Custom 24 com a seguinte configuração:

    CORPO
    Madeira do top: Maple Top e revestimento Flame Maple
    Madeira de trás: Mogno
    Formato anatômico

    BRAÇO
    Número de trastes: 24
    Comprimento de escala: 25"
    Madeira do braço: Maple
    Madeira da escala: Rosewood
    Formato do braço: Wide Thin
    Inlays da escala: Birds

    HARDWARE/ELETRÔNICA
    Ponte: PRS Designed Tremolo
    Tarraxas: PRS Designed Tuners
    Tampa do tensor: "PRS"
    Tipo de hardware: Nickel
    Captador da ponte: PRS Designed SE HFS Treble
    Captador do braço: PRS Designed SE Vintage Bass
    Configuração de captação: Controle de volume e tone Push/Pull com chave seletora de 3 posições
    Cor: WHALE BLUE


    O que me diz desta guitarra por R$ 3.000,00 a vista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nova, né?
      É o preço no Brasil. As PRS SE são excelentes. É bom lembrar que é uma guitarra com 24 trastes, portanto o captador do braço fica um pouco deslocado para trás, numa região harmônica algo desfavorável. OK se não buscas sons clássicos.
      Pessoalmente, não gosto de escalas de 24 trastes, mas a guitarra é muito boa - tipo pra vida inteira :)

      Excluir
    2. Grato pela atenção Paulo!

      E você acha que eu tenho uma captação boa por esse preço ou valeria a pena trocar (como fez em sua custom 22)?
      Outra troca que fez foi das tarraxas, qual o real problema destas tarraxas da PRS SE?

      Excluir
    3. O que eu acho já tá tudo no post Guilherme. Os captadores são apenas razoáveis. As tarraxas não são ruins, mas também não são boas. Pra tocar em casa, ok.

      Excluir
  22. Paulo ,boa tarde estou procurando uma PRS pra comprar gosto muito do timpre dessa guitarra
    Sou de Sao Paulo ,a tempos ando procurando esta linha SE , e nao acho disponivel...saberia me informar onde posso encontrar ?? obrigado .Fabio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nova, não sei, mas no ML, tipo pesquisa básica:
      http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-519561221-guitarra-prs-se-custom-tarraxas-gotoh-_JM

      Excluir
    2. Ou aqui, já que és de SP:
      http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-516741059-prs-custom-se-nova--_JM

      Excluir
    3. Esqueci de dizer que essa Custom 22 com tremolo saiu de linha, portanto dificilmente acharás uma nova. Aquela de MG já está com tarraxas gotoh. As tarraxas originais não são muito boas.

      Excluir
  23. Obrigado Paulo pela atençao e pela dica

    abs

    ResponderExcluir
  24. Desculpem...mas só agora descobri este blog e os comentários. Eu acho que de forma alguma se pode comparar uma guitarra PRS, legitimamente americana, com qualquer guitarra de outra marca. Com exceção se for uma Fender americana top de linha ou com uma guitarra Gibson das medianas em geral. Ai sim , pois se não, se comete um erro crasso! Basta observar: uma guitarra PRS custa de 15.000,00 reais à 22.000,00 reais. Ora, então como se pode comparar coisas tão diferentes como por exemplo; qualidade preço etc...me parece uma certa falta de parâmetros ou falta total de conhecimento do que seja na realidade uma PRS verdadeiramente americana. Não se pode comparar uma PRS Koreana com uma verdadeira (americana) não tem o menor sentido. Podem acreditar! Quanto a ajuda do Paulo May ele tem uma grande vontade e esforço para ajudar à todos que o perguntam. E por sua ajuda ele merece toda a nossa consideração. Eu por exemplo: Possuo uma guitarra Gibson e me custou os olhos da cara à uns 17 anos. Mas só agora descobri que guitarras do tipo delas possuem captadores single coil. Pois na época em que elas foram lançadas por volta dos anos sessenta, justamente, o que sobressaia eram os famosos captadores single coil e os característicos cortes duplos, ou seja os dois chifres simétricos (quase) e as cores que saíram yellow e cherry. As tarrachas super simples, meio retro. A qualidade da pintura não é lá essas coisas...então imagina; se uma guitarra dessas peca em qualidade, na minha opinião, como comparar com uma PRS? Tentem entender meu ponto de vista. Não se trata de humilhar nada de ninguém, mas dizer que está na dúvida se compra uma guitarra PRS Americana ou uma Cort ou outra similar me pareceu e me parece uma falta total de conhecimento e dos preços também. Acho que o Paulo May foi muito complacente e mesmo compreensivo! Pois não há como comparar coisas totalmente distintas. Uma melhor opção se me permitem; seria encontrar um luthier e mandar fazer do modo que satisfaça todos os pré requesitos desejados no instrumento tão sonhado.

    ResponderExcluir
  25. Ola Paulo parabéns pelo seu post e pelo seu som de guitarra que é realmente foda. Eu tenho uma PRS Se Custom 24 e se possível gostaria de saber qual foi o potenciômetro "push/pull" usado (o modelo e a marca), Obg.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é o único pot push/pull que utilizo, já que não gosto (com exceção desse captador é claro) do som de humbucker splitado, Alessi.
      Tenho quase certeza que é um pot Cort (tem o logo Cort) que retirei da G260. Na época, nem sabia fazer as ligações. O Sérgio Rosar fez pra mim.

      Excluir
  26. Olá Paulo,

    Vi hoje uma Cort M600T (com tremolo) e meu GAS foi a mil! Estou sofrendo muito com esta doença , hoje tenho 5 guitarras! hahahaha

    Qual seria sua crítica a esta guitarra, a M600T?

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem top de maple - é apenas uma folha de maple figurado.
      Não que seja necessário, mas acho que ela soaria mais complexa com um top real de maple :)
      É uma boa guitarra, considerando o preço. A Cort tem um controle de qualidade acima da média daquela região.

      Excluir
    2. Obrigado, Paulo!

      Gostaria de sugerir um tema para um futuro post: Guitarras com melhor custo-benefício.

      Vcs realmente entendem disso!

      Abs

      Excluir
    3. Renato, acho que uns 20% do blog já é sobre isso - Tem os posts das Vintage, das SX, das guitarras "partcaster"... :)

      Excluir
  27. Ola tudo bem Paulo ? queria tirar mais umas duvidas, se poder responder fico muito grato.
    Eu vejo que vc usa uma captação de 12,5k na ponte, e no braço uma de 4k que quando
    splitado fica 2,6k . Eu gostaria de saber se a diferença de ganho e MUITO grande entre os 2 caps.
    E também queria saber qual a sua opnião em relação a outros captadores que possam ter caracteristicas parecidas com
    a sua sonoridade, vc acha que é possivel buscar um som clean e uma Dist tão bacana como a sua com outros Caps ? quais seriam ?
    pois os Caps Sérgio Rosar usados na sua configuração não é mais achado para comprar, Obg.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É grande o suficiente para exigir um aumento de ganho, no amp ou num pedal de boost, pra manter os volumes similares. Em casa não é problema, mas ao vivo um pedal de boost limpo seria essencial. A distorção é do Supershred, que já é um clássico do Rosar, mas o "Dynabucker" foi feito especialmente na ocasião e ele nunca colocou à venda porque é um captador que infelizmente teria pouco apelo comercial. Tem uma sonoridade similar aos Gretsch Filtertrons.
      Envie um e-mail para o Sérgio, quem sabe... :)
      E por falar nele, nessa entrevista: http://guitarra99.blogspot.com.br/2014/01/1000000.html
      Ele fala também sobre essa dificuldade de combinar captadores tão distintos numa guitarra.

      Excluir
  28. Olá Paulo! Parabéns pelo post! Muito esclarecedor! Eu tenho uma PRS SE Custom 24 e ela veio de fábrica com cordas 0.09. Depois de umas pesquisas, descobri que o nut dela já vem configurado para usar somente 0.09. Você recomendaria colocar cordas 0.10 nessa guitarra, teria algum tipo de problema configurar o nut para usar 0.10? A 0.09 tem me dado bastante conforto, mas prefiro 0.10.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante Renan, porque a maioria das guitarras com essa escala tem nut para 0,10. Mas quase sempre há uma folga que permite cordas 0.10 - o ideal seria comprares um jogo de 0.10 e comparar. Se necessário fotografe em close as cordas 0.09 antes.
      Via de regra a corda deve ficar com sua 1/2 a 1/3 acima da ranhura. Se ficar toda acima, a ranhura é muito estreita e precisa ser alargada - coisa que luthier faz num tapa e a gente não :)

      Excluir
    2. Vou levá-la em um luthier. É que a pegada dela está tão boa, mas tão boa que estou com medo de estragar.. rsrs.. Obrigado!

      Excluir
  29. Paulo, parabens pelo blog e pelo som de gtr !

    tenho uma se 22 e tb quero trocar os pickups dela.
    na ponte queria um som mais limpo que o supershred que vc utilizou ,um sergio rosar mojo, talvez, que é na praia do paf,e adorei esse pickup do braço dynabucher,mas não o encontrei no site do sergio rosar! e me diga como vc fez o esquema para deixa lo no modo single?!?! vc trocou os pots ?
    ab

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Luis,
      Um Mojo, se a guitarra for mais fechada ou um Heartbreaker se mais aberta. Na minha, o Heartbreaker da ponte soou melhor com saturação.
      Dynabucker foi respondido no dia 27/2/14 - vide acima
      Pot Push/Pull: 26/2/14 - vide acima

      Excluir
  30. Olá Paulo! Primeiramente parabéns pelo blog, muita informação bacana por aqui.
    Então, eu penso em fazer uma PRS Custom 24 de luthier, da cor fire red burst. Ainda não me decidi o luthier, muito provavelmente será o Peruzzo. Penso em copiar aquela versão das customs com floyd, e aproveitaria para colocar uma com piezo (graphtech). Mas vendo vc falar bem das PRS SE Custom me deixou com vontade de comprar uma e tunar, hehe. Veremos. Mas minha dúvida é com relação à captação. Pelo o que eu vi, vc não priorizou os cleans, algo que eu acho fundamental. Fazendo um meio termo em cleans bem vivos e dinâmicos com drives abertos (ponte) + aveludados e gordos (braço), qual seria a captação ideal? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      Não priorizei o clean, mas apenas o da ponte, Filipe - nem gosto do clean de humbucker nessa posição. Às vezes até os PAF soam magros e sem vida. Já a procura pelo clean correto do braço é basicamente do que trata o post.
      Como já explicado aqui:http://guitarra99.blogspot.com.br/2014/05/faq-003-orientacoes-para-perguntas.html , só posso falar do que tenho, testo e ouço. Qualquer coisa além disso é conjectura.

      Excluir
  31. Paulo, tenho uma prs se custom com essa mesma captação, mas gostaria de deixar o timbre mais gordo. Pensei nos alnico 2 pro slash! Vc acha que vale a pena?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falas de ambos, o da ponte e braço?
      O timbre "mais gordo" depende muito da personalidade de cada guitarra, Karolina. O captador só traduz o que acontece nas madeiras. Isso quer dizer que ele não tem capacidade de mudar a natureza de um timbre, mas pode reforçar ou atenuar algumas frequências. Um ajuste de amp e/ou caixa pode ter mais efeito.
      Se desejas um timbre com graves mais pesados e contundentes, pra músicas mais pesadas também, um Rosar Punchbucker seria uma opção mais certeira.

      Excluir
    2. Concordo Karolina. O Alnico II Pro Slash é mais fraco e provavelmente vai ficar mais magro e agudo que esses que vc tem. rsrs! O timbre gordo do Slash vem muito mais do AMP doq ue de seus captadores. O PunchBucker, ou mesmo o Rock King são mais indicados para um som mais gordo como vc quer.

      Excluir
    3. Entendi! Na verdade não sei a referência dos caps que foram instalados, são Rosar mas não sei a referência.... O que acho é que som está meio abafado, sem definição... Estava pesquisando sobre caps e tb vi os Malagoli Custom II como opção. Estava procurando caps com médio ganho, mas que deixassem o som da SE mais encorpado

      Excluir
    4. Não dá pra investigar mais pra saber quais Rosar estão nessa guitarra? O antigo dono não sabe? Ou pelo menos saber a resistência desses daí (com um multímetro de 20 reais já dá pra ver: http://guitarra99.blogspot.com.br/2010/04/multimetro-para-guitarristas.html
      Se forem da alto ganho (resistência >10-11k) é só trocar por um modelo mais fraco, como o Mojo, que resolve. Mas se já são de baixo/médio ganho, complica :)

      Excluir
    5. Vou verificar e te digo! Te agradeço demais os esclarecimentos!

      Excluir
  32. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, não permitimos o uso desse espaço para vendas ok? post excluído

      Excluir
  33. Olá amigo,
    Tenho uma Ibanez made in Japan com captadores dimarzio.

    Você acha que compensa trocar por uma PRS (Paul Reed Smith) SE Custom 24?

    Muito obrigado!




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenho a mínima ideia, Murilo. Existe o valor comercial e os outros valores. Só tu podes responder de fato essa pergunta. Qual das duas vais te sentir/tocar melhor/mais?

      Excluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".