domingo, 1 de abril de 2012

Anos Dourados da Fender: 1946-1970... 1970?





         Reza a lenda que quando a CBS comprou a Fender, em 1965, a qualidade dos produtos caiu muito. Guitarras do chamado período "Pós-CBS" não são tão valorizadas quanto as do período "Pré CBS".
Mas na maioria dos livros que tenho sobre a Fender, alguns detalhando os malefícios corporativos da CBS, como o do Forrest White, a história não é bem essa.

A declaração de Dale Hyatt (gerente de vendas da Fender até 65 e depois da G&L) no livro do Tony Bacon, dizendo que a qualidade das guitarras manteve-se relativamente estável até 1970, o título do fantástico livro "Fender: The Golden Age 1946-1970" e alguns fatos históricos, como a decisão em 1970/72 da CBS de aumentar "a todo custo" a produção da Fender definitivamente levam à conclusão que devemos mudar o conceito do "Pós-CBS".


De 1965 até 1969/70, pelo menos 90% da qualidade Fender permaneceu intacta. Dale Hyatt não é uma figura tão popular da história da Fender, mas esse ex-combatente da II guerra foi um dos primeiros empregados de Leo Fender (janeiro de 1946). George Fullerton só entrou em cena 2 anos depois.

 Dale Hyatt, Leo Fender e George Fullerton

PS: Leia a segunda parte desse post aqui: Anos Dourados Da Fender - Parte II

59 comentários:

  1. Respostas
    1. Hahahá!
      Foi uma conjectura, Paulo! :)
      Vários cargos importantes foram substituidos, mas apostaria numa causa básica:
      Forrest White, gerente de produção, havia instituido um ótimo controle de qualidade ascendente (cada empregado fiscalizava a peça que recebia de outro - se deixasse passar, teria que assumir a responsabilidade). Esse padrão foi logo suprimido pela CBS devido à necessidade de aumento da produção.

      Excluir
  2. Engraçado que hoje em dia esse é o tipo do fabricante para o qual não dou a mínima. Não sei nem qual foi a última vez que acessei o site da Fender. O caso não é só porque não gosto do timbre característico Fender, mas porque pra mim não há grandes músicos historicamente associados à marca, tirando, é claro, Malmsteen, Eric Johnson, Blackmore e talvez mais algum outro que eu não me lembro agora. Acho que a Fender parou no tempo justamente por ainda manter instrumentos com a mesma engenharia de 60 anos atrás.
    Mas como interesse musical é um negócio volúvel na vida de uma pessoa, talvez eu possa vir a gostar de Fender. Ainda assim não me veria comprando uma Fender nunca, optaria por algo da MM ou até hand-made similar a uma strato, só que hardtail, sem aquele tremolo bisonho da déc 50 que não serve pra nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou vc gosta de criar polêmica... ou então quer ver o circo pegar fogo, hahah. Vamos ver se os comentários vão repercutir...

      Excluir
    2. Não entendi, meu amigo. Só expus minha opinião. Não sou obrigado a gostar do que todo mundo gosta ou daquilo que a mídia de massa ignorante diz pra gostar. Comecei a tocar guitarra aos 12 anos e há pelo menos uma década estudo arduamente música todos os dias de minha vida. Tenho um gosto musical muito distinto e seleto e não acredito que isso possa incomodar pessoas sérias.

      Excluir
    3. O que seria do vermelho se todo mundo só gostasse do azul? :)
      Conheço muita gente que não gosta das Fender.
      Desde que colocada com educação - como foi - respeito toda e qualquer opinião pessoal. :)
      Mas na listinha faltaram: Hendrix, Jeff Beck e SRV. :)

      Excluir
    4. Ôps! Como fui esquecer dele? :)

      Excluir
    5. Calma ai!! Clapton (fantastico), Rory Gallagher (fantastico), Gilmour (fantastico), Jeff Beck (fantastico), Stevie Ray Vaughan (fantastico), Hendrix (sem palavras!!!!). Realmente a Fender nao esta associada a nenhum grande guitarrista. Paulo, belissimo post, pena que tao pequeno. Faz uma segunda parte!! Valeu!!

      Excluir
    6. Faltou rs Eddie Van Halen Strato(frankenstein) - Buddy Guy - Ritchie Blackmore - Dave Murray - John Frusciante - et...

      Excluir
    7. Os dois guitarristas que reinventaram o jeito de tocar guitarra usavam stratocaster
      Jimi Hendrix e Eddie Van Halen.

      Excluir
    8. Clapton, Rory Galagher, Gilmour, Jeff Beck, SRV, Hendrix, Buddy Guy, Dave Murray, Frusciante... pra mim são apenas tocadores de guitarra, desses que aparecem na MTV ou na capa da GP para os leigos acharem a quintessência guitarrística. Duvido muito que eles tiveram algum estudo na vida, porque, para o tipo de música que eles tocavam, realmente não se fazia necessário estudar. Acho que o grande problema daqueles que tocam/ouvem blues é a preguiça de expandir o seu campo de conhecimento. Lembro de uma entrevista do Guthrie Govan pra Guitar World em que ele fazia essa mesma constatação. No post inicial eu me referia a músicos de verdade, alguém tipo o Steve Morse, que ainda me faz lembrar dele com uma tele e eu acabei me esquecendo de citar. O Kotzen também. Quanto ao EVH, nunca o associaria à imagem tradicional de uma Fender, mas sim a de alguma superstrat (Charvel ou Kramer) ou uma Wolfie.

      Excluir
    9. Rodrigo Sacramento, só pra constar a Charvel e uma marca da Fender assim como a Gretsch, Jacksom e outras que não me lembro agora... O nome Fender tem uma mística inegável e talvez por isso ela prefira se manter tradicional e inovar na construção com outras marcas... apenas uma estratégia de mercado.
      Quanto aos erros de construção fiquei curioso em saber quais seriam eles pra vc... o que vc acha que poderia mudar na construção da guitarra, quais as suas sugestões e pq? É um assunto legal que pode ser discutido aqui (sem brigas).

      Excluir
    10. Sobre super strato a Fender comprou a Charvel e Jackson e a Gibson comprou a Kramer.

      Excluir
    11. Pô Rodrigo, eu fiz o post curto porque achei que ninguém se interessaria muito... :)

      Excluir
    12. Rodrigo Sacramento, acho que não pode-se associar o blues à acomodação e a preguiça. Já ouvi solos maravilhosos de puro sentimento, e outros de pura técnica sem passar absolutamente nada. É óbvio que quanto mais estudo, mais ferramentas vc tem para expandir sua atuação como guitarrista. Eu particularmente não toco nada e sou preguiçoso, portanto não evoluí muito nos últimos vinte anos. Agora quanto aos guitarristas tops, realmente isto é uma questão pessoal, eu tive uma época que só ouvia Malmsteen, Gilbert, Vai, Satriani, e realmente são excelentes músicos e particularmente sou fã deles. Mas quando tu começas a prestar a atenção em outras coisas como B.B. King, SRV, Clapton, Page, Hendrix, Derek Trucks (allman brothers), entre tantos outros a gente se da conta que música não é competição, é lúdico, é lazer, o cara cansa de discussões sobre quem é melhor, fulano ou ciclano, e isso é um saco. Olha o que o Paul Gilbert tem a dizer sobre aprender a tocar blues:

      Em recente entrevista à publicação Cutway, o guitarrista PAUL GILBERT afirmou que ultimamente está estudando blues.

      “É muito difícil, muito mais do que parece. Não sei onde vou estar daqui a 5 anos, então estou tentando brincar e aprender em outros campos”, disse. (Whiplash)

      Também já ouvi Gregg Allman afirmar que tocar blues não é tão simples como as pessoas imaginam. Mas é isso, cada um com suas opiniões.

      Excluir
    13. Rodrigo Sacramento, você está ficando maluco de tanto estudar, isso sim! Para você, eles podem ser "só" tocadores de guitarra, mas para a grande maioria do mundo, não. Você devia abrir sua mente e tentar entender o que eles queriam dizer com suas músicas... Aposto como se você for tocar um blues, você vai ficar preocupado em ficar repetindo aquelas penta-blues em todo o braço da escala ao invés de se entregar à melodia e fazer sua alma chorar através da guitarra... Seja mais humilde seu babaca!

      Excluir
    14. Rodrigo, apesar de seu gosto musical distinto e seleto, ainda prefiro ficar com a opinião de um guitarrista que pra muitos é considerado um deus do instrumento.

      Segue o depoimento do Clapton sobre a Stratocaster:

      Eu nunca conhecei Leo Fender, mas eu gostaria de te-lo conhecido. Se eu pudesse voltar atrás e de alguma forma falar com ele sobre a Stratocaster, eu diria, "Você criou algo que não pode ser melhorado, realmente. Como você fez isso? "Eu sei que eram protótipos com a Telecaster e a Esquire, e alguns primeiros estágios experimentais, mas, no entanto, o fato dele ter chegado ao design final tão rapidamente é notável, não é? Leo Fender estava tão a frente de seu tempo no desenvolvimento da Strat que chegou ao ponto em que simplesmente não pode ser melhorado. Tiro meu chapéu para ele.

      Uma razão pela qual eu não tinha tocado com Strats anteriormente era de que os braços sempre pareciam tão estreitos que pensei, não vou ser capaz de executar bends, não há espaço, mas na verdade eu estava errado. E qualquer Strat que eu tinha visto até aquele momento tinha um braço de rosewood, e eu tinha uma aversão a escalas rosewood - não me pergunte por que - apesar de algumas das minhas guitarras anteriores tinham. Eu sempre preferi maple. Eu gostei daquele acabamento sedoso. Claro, quando botei as minhas mãos em uma Strato de escalas claras, fiquei surpreso em como era fácil de tocar.


      Eu tinha um monte de influências quando eu peguei a Strato. Primeiro, foi Buddy Holly e Buddy Guy. Hank Marvin foi a primeira pessoa bem conhecida aqui na Inglaterra que estava usando uma, mas que não era realmente o meu tipo de música. Steve Winwood tinha tanta credibilidade quee quando começou a tocar uma, eu pensei, oh, se ele pode fazer isso, eu também posso fazê-lo.

      Pegar uma Stratocaster me faz tocar um pouco diferente. Acho que ao longo dos últimos anos eu toco mais com os meus dedos por causa da maneira que minha mão se posiciona na guitarra. Eu não sinto a necessidade de usar uma palheta tanto como eu faria com qualquer outra guitarra, onde a ponte fica mais fora do corpo. Com a Strat a ponte é quase nivelada com a guitarra, por isso a minha mão repousa sobre o corpo, parte do meu punho repousa sobre a ponte, e então meus dedos repousam no escudo. É realmente fácil de se tocar de qualquer maneira, mas eu descubro que cada vez mais e mais estou usando apenas os dedos.

      Tem esse timbro famoso para solo, mas é tão versátil que você pode usá-lo em qualquer tipo de música, bem como acordes, ou aquele estilo de acorde suave tipo Tamla / Motown em volumes muito baixos. Diferente da maioria das outras guitarras elétricas, soa melhor quando o botão de volume da guitarra é em 2 ou 3, na verdade sub-amplificada e tranquila.



      Eu continuo voltando para a Stratocaster, porque é muito prático. Ele não se move muito, é estável, ele permanece em sintonia, e tem um ótimo som. É imbatível, muito difícil de danos. Eu realmente gosto dos captadores old coil, especialmente a combinação do meio e ponte. Eu usei essa combinação para o solo em "Bell Bottom Blues", que seria um exemplo clássico deste timbre. Mas eu tenho captadores noiseless agora, e circuito ativo, e eu consigo tantos timbres diferentes da Stratocaster que é difícil compará-la com qualquer outra guitarra. Minhas outras guitarras, eu só as visito de tempos em tempos. Eu raramente uso outra guitarra além da Strato.

      Excluir
    15. (... continuando)

      Meu padrão sobre um design perfeito é que ele tem de ser funcional, e com a Strat, a sua funcionalidade realmente o ponto forte. Isso é o que a torna um projeto tão lindo. É incrivelmente pensado. No começo eu pensei que era estranho ter apenas um controle de volume, mas isso é só porque eu estava acostumado a um outro padrão. Todas as coisas que eu gosto sobre isso esteticamente estão lá com algum propósito, como o contorno traseiro. Se as coisas foram baseadas apenas na maneira que parecia que seria bom, mas tudo na Strato está lá por alguuma razão. Tal como o headstock, com todas as tarraxas no topo. Isso é uma coisa lógica quando você pensa em como é acessível.

      Eu não acho que há qualquer coisa na Strat que não venha da lógica pura. Eu desafio a qualquer um para chegar a um projeto melhor para uma guitarra.

      Excluir
    16. Mauro (MG)- Todos os maiores guitarristas do mundo possuem uma fender, meu amigo, leia mais sobre seus idolos , voce vai ter uma surpresa! Será que voce sabe o que é uma fender? existem apenas 3 tipos de guitarra no mundo Fender - Gibson - e as outras meu caro, procure ler mais!!!

      Excluir
  3. Ja vou procurar esse livro jack.

    Rodrigo R.
    Concordo plenamente com vc.

    Respeito a opiniao do cara nao gostar de fender, mas essa de que a fender nao tem grandes nomes historicamente foi de doer. E isso nao é opiniao pessoal, é fato aceito por todos.

    Abraço

    Petri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo Petri, e com o Rodrigo R. também... se a gente for contar, temos mais de 10 guitarristas fantásticos associados a Fender, com certeza... só nessa menção dos comentários, já foram 9 (SRV, Beck, Blackmore, Hendrix, Clapton, Gallagher, Gilmour, Malmsteen, Eric Johnson), e tenho certeza que a galera vai citar mais outros vários de grande expressão... e quase todos tocando nesse "tremolo bisonho que não serve pra nada", como disse o Rodrigo Sacramento, hehehe...

      Excluir
  4. Arrisco ate a dizer que entre as pioneiras, a fender foi a que mais inovou na construçao de guitarras de corpo solido, se compararmos com a gibson (que tambem adoro), a les paul era praticamente um violao de corpo solido, com o mesmo hardware, junçao do braço, arch top etc, ja a fender criou a guitarra com braço parafusado, anatomica e com um inovador e eficiente sistema de ponte flutuante "que nao serve p nada", porem ainda é padrao de ponte flutuante ate hoje

    Abraço

    Petri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso há mais de meio século atrás era realmente revolucionário. Mas hoje em dia não existe motivo de a Fender ser cabeça-dura e ainda manter nos seus instrumentos os mesmo erros de construção de quando foi projetada, senão, imagino eu, para atender à parcela de guitarristas que sentem uma falsa nostalgia pelo vintage, influenciados provavelmente pela propaganda atual de que só o vintage é legal, vintage é melhor... Guitarra não é obra de arte pra pendurar na parede; é uma ferramenta que deve atender todas as necessidades do músico, e não dificultá-las. Na déc 80 quando as guitarras deram um salto em modernidade a Fender quase faliu por causa de sua mentalidade conservadora.

      Excluir
  5. Fala Tuneiro Maluco

    Novamente, muito bom o post.
    Eu vi recentemente um vídeo com o Paul Reed Smith no qual ele dizia que o Hendrix tirou aquele timbre fabuloso em "The Winds Cries Mary" com uma Strato 66 e depois fez o que fez em Woodstock com uma Strato 68-69...
    Ou seja, pode-se achar algo decente até 1970...hehe
    Agora, gosto musical é foda de discutir, porque diferentes guitarras, diferentes timbres...
    São diferentes cores num mesmo quadro, vai de admirar, observar, e abrir a mente, no caso, ouvidos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tuneiro Maluco! Hahahá! :)
      Tens razão Velhinho. Discutir gosto musical é chover no molhado.:)

      Excluir
  6. De Yngwie Malmsteen, em entrevista à Guitar Player Brasil de dezembro /2008:
    - "... tenho muitas (Fender Stratocaster) do início dos anos 1960. Porém, as do final daquela década e as do começo dos anos 1970 - até 1973, no máximo - têm algo especial...".

    Abs, Jordan Martins.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Yngwie tá coberto de razão, Jordan. A queda de qualidade foi acentuada a partir de 1972, quando uma nova e maior fábrica da CBS/FEnder começou a produzir "em massa".
      Eu tenho uma Tele 68 e uma 74. A 68 dá de 10! :)

      Excluir
  7. Paulo, tenho esse livro fantástico, e é isso mesmo. Mas apenas para constar, Hendrix usava guitarras de 68/69, e se ele usava, quem somos nós para desconfiar ou argumentar que no início da era CBS os produtos não eram bons. Eram sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ELE usava, quem somos nós pra argumentar? Assino embaixo. :)

      Excluir
  8. Eu chego a achar engraçado alguns comentários, Fender Strato chega a ser tão enigmática que de uma mesma safra podemos observar diferenças sensíveis de timbre. A strato eh uma das únicas guitarras q não da para comprar sem tocar. Possuem uma semelhança física indiscutível, porém, os conhecedores medianos conseguem identificar varias diferenças em uma fileira com varias stratos. E strato eh famosa por dar som de strato! Serio? Sim serio, o som típico de strato só se consegue com ela, emulações de splitagem não são fidedignas. Existe diferença de captadores, raios, tipo de Madeira, tipo de corte da Madeira, tipo de formato do braço, tipo de headstock, tipo de declínio de headstock(a do EJ nem precisa de string tree). Só por esses motivos eu já credito modernidade a empresa. Tudo o q um guitarrista quiser fazer de tecnica ele consegue com uma strato, ou deixei passar algo? Minha predileção, porém, são para as Teles, uma delicia de guitarra e uma pequena fabrica de timbres, mas há espaço para todas. Mas problema de gosto engessado eh q a conclusão não levara para nenhum lugar. As vezes muito estudo torna o musico muito mecânico, sentimento robotico e um improviso pálido calcado somente em conjecturas acadêmicas, por outro lado, músicos que não estudam nada não oferecem muitas coisas, claro, tirando uma penca de exceções de gênios q surgem volta e meia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo que diversos fatores tem influencia no timbre,acredito mais que devido ao aumento de produção e devido ao rareamento de madeiras de qualidade,ja que os formatos e modelos de cortes são feitos com ferramentas industriais de alta precisão. Os captadores e madeiras de densidade similar possuem timbre similar,acredito que eles são a base fundamental do timbre.Estou tendo uma boa experiencia com uma tele (vagabunda mas macia e afinada com sustain) que ate dexei a minha ibanez no armario.

      Excluir
  9. Blackmore, Gilmour, Buddy Guy, Eric Johnson, Clapton, Mark Knopfler, SRV, Malmsteen, Jeff Beck, John Frusciante, John Mayer, Andy Summers, Rory Gallagher, Jimi Hendrix, Albert Collins, Muddy Waters, Joe Strummer, Keith Richards, Bruce Springsteen, Richie Kotzen, Dave Murray, Billy Corgan, Kurt Cobain, James Burton, Prince...


    Realmente, a Fender quase não tem grandes músicos associados historicamente ao nome da marca

    ResponderExcluir
  10. Paulo, excelente post! Preciso de ajuda para tomar uma decisão, e o assunto obviamente é fender. Estou em dúvida entre dois modelos, e como não tenho muito conhecimento técnico, pediria tua ajuda para me esclarecer qual é o melhor modelo. Abaixo especificações, sendo que a diferença da americana para a mexicana são de 50 dolares a mais. Obrigado mais uma vez.

    Fender American Special HSS Stratocaster Electric Guitar

    • Model name: American Special HSS Stratocaster
    • Finish: Gloss urethane
    • Body: Alder
    • Neck: Maple, modern C shape
    • Fingerboard: Rosewood,
    • Fingerboard Radius: 9.5 (241mm)
    • No. of frets: 22 jumbo frets
    • Bridge: Vintage-style synchronized tremolo
    • Machine heads: Fender standard cast/sealed tuning machines
    • Hardware: Chrome
    • Pickguard: 3-ply black/white/black
    • Scale length: 25-1/2" (648mm)
    • Width at nut: 1.6875" (43mm)
    • Pickups:
    • 1 Atomic humbucking pickup (bridge),
    • 1 Texas Special Strat pickup (middle),
    • 1 Texas Special Strat pickup (neck)
    • Controls: Master volume, tone 1. (neck pickup), tone 2. (bridge pickup)
    • Strings: Fender USA, nickel-plated steel (.009, .011, .016, .024w, .032, .042)
    • Accessories: Polishing cloth
    • Case: Deluxe gig bag
    • Unique features:
    • Large '70s-style headstock
    • Large '70s-style decal
    • black pickup covers and plastic parts
    • White dot position inlays
    • Pickup switching: 5-position blade:
    • position 1. bridge pickup
    • position 2. bridge and middle pickup
    • position 3. middle pickup
    • position 4. middle and neck pickup
    • position 5. neck pickup


    Fender Artist Series Jimmie Vaughan Tex-Mex Stratocaster Electric Guitar

    Features
    • Three Tex-Mex single-coil pickups
    • Special V-shaped neck
    • Vintage machine heads
    • Original synchronized tremolo
    • Custom tone control wiring
    • Alder body
    • Schaller straplock-ready buttons
    • Medium-jumbo frets
    • Gig bag

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zeca, as Fender "Standard" mexicanas não tem boas madeiras e já vi algumas bem mal feitas. Alguns modelos mexicanos, entretanto, são bons ou até melhores... :) Acho que é o caso dessa Jimmie Vaughan.

      Acredito que as duas estejam em um nível de qualidade similar.

      A JV Tex Mex é um modelo mais clássico, com 3 singles (algo mais fortes que os clássicos, mas são bons captadores) e braço com shape em soft "V" (tem gente que não gosta desse formato - atenção).
      A Special americana já é HSS e tem o headstock estilo anos 70, (bell botton shape).

      Se EU tivesse que escolher uma pra ganhar de presente, seria a Jimmie Vaughan, com certeza!
      De preferência, uma sunburst :)

      Excluir
  11. Paulo, mais uma vez te agradeço, valeu pelas informações. Eu confesso que esteticamente (menos importante) eu gostei mais das JV Tex Mex, só fiquei cabreiro com a questão do braço "V", vou tentar testar alguma guitarra neste formato pra ver se vou gostar. Mas fiquei mais interessado nesta mesmo. Seria um ótimo presente realmente, ainda mais que o cara não precisaria pagar nada! eheheheh Obrigado mais uma vez.

    ResponderExcluir
  12. Paulo, esse post merece uma continuação mais "completa"! Vou fazer coro com os amigos que já pediram a parte 2 do texto, hehehe. Abraço!

    Cícero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Cícero. Já tá no forno! :)

      Excluir
  13. Paulo

    Vídeo interessante do processo de fabricação de uma strato fender nos estados unidos, achei muito bacana.

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=1MnylRaQC3w#!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, esse vídeo é horrível, parece uma guitarra de supermercado sendo construída. Veja o factory tour de outros grandes fabricantes americanos. Não precisa nem adentrar o mundo exclusivo da Suhr, Grosh, PRS PS, Anderson... Pegue só os que tão mais ou menos no mesmo patamar de preço da Fender: tipo EBMM, Dean, G&L... Não tem nem comparação, faz a Fender passar vergonha do lixo que vende.

      Excluir
    2. Muito legal, Zeca - esse link já havia rolado lá no fórum da GP.
      Quanto ao braço em soft "V", acho difícil não gostares.

      Excluir
  14. Ola Paulo parabens pelo blog do qual agora faço parte, o pessoal mais antigo sabe que pra fazer musica arte, a tecnica pode ser bem pessoal e deve ser, a guitarra tem e teve muitos mestres autodidatas e que tiveram suas tecnicas copiadas por estudiosos (vide wes montgomery) eu sei ler uma partitura de guitarra e posso afirmar isso.Paulo gostaria que voce me indicasse captadores hambucking para uma tele ct 20 condor que escolhi bem e justamente para um up grade, pois tem um corpo e braço bem bons,fiz regulagens e ajustes(tensor)bom sustain e está super macia, gosto de jazz, bossa, blues,logico que tenho uma ibanez semi-acustica, espero que não me excluam pela condor tele, mas já vi muita coisa ruim de grife, rs,rs,rs. Grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carlos!

      Pelos estilos que mencionaste, acredito que captadores de baixa saída seriam os mais adequados.
      Nacionais temos os Rosar, Malagoli e Cabreira. Conheço bem os caps do Sérgio Rosar (Heartbreaker na ponte e Mojo 13 no braço seriam as minhas indicações - o Mojo é mais claro e estalado), mas nunca toquei com essa guitarra, portanto sempre há o risco do captador não "bater" com a ressonância dela :)
      Que tal uma visita aqui:
      http://www.jrguitarparts.com/
      e bater um papo com o Júnior? Ele sempre tem um captador legal "na manga" :)
      Abraço!

      Excluir
  15. Ola Paulo, valeu as dicas, pesquisando vi que o malagoli é bem antigo e eu usava um captador malagoli no violão aço no final dos anos 70 e ele surpreendeu com a qualidade quando colocamos numa amplificação pesada de conjunto de baile,pois achavamos que ele não ia responder responder bem,hoje deve ter evoluido muito.Grato.

    ResponderExcluir
  16. Hey Jack !
    O que vc acha das novidades da Malagoli:

    "DESENVOLVIDO NA MALAGOLI, POR ÉRICO MALAGOLI, EXATAMENTE DA MESMA FORMA E COM OS MESMOS MATERIAIS COM QUE ERAM PRODUZIDOS OS ORIGINAIS FENDER, COMO CARRETEL DE FIBRA PRETA, ALNICO 5, FIO FORMVAR E CONDUTORES EM TECIDO.

    TODAS AS PEÇAS SÃO FORNECIDAS EXATAMENTE PELOS MESMOS FORNECEDORES DE EMPRESAS COMO FENDER, SEYMOUR DUNCAN, VAN ZANDT, RIO GRANDE, ETC".


    Abçs
    Rafa-Peeblow

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já havia comentado a questão do fio Formvar com o Érico há uns 4 meses e ele me disse que em breve estaria usando o mesmo que a Fender utiliza. Para a maioria dos singles, o Formvar soa melhor que o Polysol.
      Melhor pra nós aqui no Brasil, né? :)

      Excluir
  17. Não há dúvida que a popularidade da Fender é algo extraordinário. Mesmo nos piores períodos de controle de qualidade a Fender jamais perdeu o seu carisma. Prova disso são os números e, também, as incontáveis imitações produzidas por gregos e troianos.

    O que este excelente post revela, entretanto, são os fundamentos que deram o impulso à marca e que a acompanham até hoje, embora tenham sido esquecidos em momentos específicos.

    Sobre os guitarristas mitológicos que usaram e usam a strato, lembro que suas guitarras não são as guitarras de produção, adquiridas nas lojas. Muitos de nós não foram ou não são afetados porque seus ídolos usam uma strato da Fender. O que a estes importa é o som.

    Posso dizer que, das guitarras strato que tenho, as melhores são uma Tom Anderson e outra montada de partes de bons fornecedores. Minha Strato da Fender foi vendida faz tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pela Tom Anderson, cara! :) É um dos meus sonhos de consumo :)

      Excluir
  18. Em tempo: acabo de ler alguns comentários sobre teles. Minha Telecaster Fender também foi zunida faz muito tempo. Na minha modesta opinião, as ASATs (G&L), até as da linha "Tribute", são muito melhores e oferecem mais versatilidade (o captador MFD "Jumbo" da G&L - encontrado nas linhas Special e Classic Custom é excepcional). Pena que aqui as lojas, como a Made in Brazil, as vendam por preços extorsivos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, a tua "modesta" opinião por acaso é a mesma do mestre Leo Fender. :)

      BTW: sabes o significado real de "ASAT"? Já ouvi dizer que é "After Strat, After Tele" kkkkk!

      Excluir
  19. Paulo May!
    Vc sabe alguma coisa sobre as guitarras XAVIERE O corpo é em 3pç mas o preço esta em torno de 189,00 dolares, será que é uma boa guitarra para tunar? Me de uma ajuda? Se caso vc tiver uma opção melhor para tunagem me diga.
    Um abraço

    Ass: André alves.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André, assim como 80% ou mais das guitarras baratas do mundo, as Xaviere são feitas na China. A qualidade varia de marca para marca e até de lote para lote de determinada marca.
      Como a GuitarFetish vende "direto", sem atravessador, os preços são ainda mais baratos.
      Pelas especificações e o controle de qualidade da GF, eu diria que uma Xaviere está no ou próximo do nível de uma Epiphone, com o detalhe de custar 1/3 do preço... :)

      Excluir
  20. Paulo May!
    Obrigado pela ajuda. Mas oq vc acha em relação a elas(xaviere) por ser de 3pç(o que já não é lá essas coisas, mas é melhor do que fender mexicana de 4 ou 5 pç) para tunar seria uma boa escolha ou é melhor comprar uma sx da vida? Pq tem telecaster e strato de Ash e alder em 3pç e no site diz que as ferragens são da propria guitarfetish. Dá uma opinião ai? vlws!

    Ass: André alves

    ResponderExcluir
  21. André, a não ser que tenha mudado recentemente, as stratos e teles Xaviere têm corpo de Poplar (sonoridade semelhante ao basswood). Mas têm bom hardware e ponte com bloco pesado
    As que valem mais a pena, pelo custo/benefício, acho que são os modelos Les Paul de mogno e maple.
    Todas são muito baratas... Lá né :) Aqui, com os impostos, não sei...

    ResponderExcluir
  22. Paulo mudou sim no site tem uma strato por exemplo que é em ash.
    http://www.guitarfetish.com/XV-870-Solid-Ash-Dark-Ash-Finish-Alnico-Pickups-22-Fret_p_977.html
    e o preço é 189 dolares + 132 dolares de frete = 321 dolares
    claro que ainda tem 60% acho que sai uns mil reais. E vem com bons hardware coo vc mesmo disse. To na vontade de comprar mas não sei se vale a pena, por isso estou aqui perguntando a vc o expert em guitarras. Vlws pelas dicas.

    Ass: André alves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema André é que não há certeza de que esse ash seja americano. É bem provável que seja uma variante oriental.
      Alguém aqui já comentou que tem uma Xaviere modelo LP e é muito boa, considerando o preço.
      Bom, se comprares, me diga o que achaste dela, ok?

      Excluir
  23. cara sei que ja faz uns dias, mas esse cara é doido e no mínimo toca pagode que usa cavaquinho ao invéz de guitarra!!! Falar que blues é fácil?? Dizer que um cara como David Gilmour nunca estudou?? Acho que deve ler sobre as pessoas e mais um detalhe, lembre que esta falando para o mundo, mesmo que em um pequeno post de um blog. Vai estudar da vida dos outros um pouco ou sai de dentro do quarto....

    ResponderExcluir
  24. A Fender esta se reinventando,ficando no topo em comparação a outras marcas,novamente consegue fazer a diferença.

    ResponderExcluir
  25. Fender é um clássico, vários guitarristas virtuosos e importantes pra evolução da guitarra elétrica passaram por uma Fender, se é que ainda não continuam.
    O que a galera tem que entender também é que vários guitarristas são modelos comerciais de suas respectivas marcas, como é o caso da Ibanez pro Satriani, pro Vai e tantos outros.........até o Allan Holdsworth já usou Fender.

    ResponderExcluir

Antes de perguntar, faça uma pesquisa no campo "Pesquisar nesse blog".